COMO SABER SE A NOSSA MENSAGEM FOI ENTENDIDA

Você já deu instruções para uma pessoa que para você pareceram ser muito claras, mas que a pessoa não cumpriu o que você esperava? Muitas vezes fez até o oposto do que você pediu?

Essa é uma falha muito comum na comunicação e acontece em todos os tipos de relações, profissionais e pessoais.

Normalmente o sentimento da pessoa que deu as instruções e que não teve às expectativas atendidas é que a outra pessoa não quis fazer o que foi pedido. Mas quando verificamos atentamente, na maioria das situações a outra pessoa compreendeu de forma de diferente o que foi pedido.

Nosso maior problema com os maus entendidos é que achamos que nos comunicamos bem, achamos que são os outros que estão interpretando mau.

Quer saber o que você pode fazer para saber se o problema está na sua comunicação ou se está no entendimento do outro?

#1 Você pode checar com o outro o que foi entendido.

Como fazer isso?

Explica para a pessoa que é muito importante para você saber se conseguiu comunicar tudo aquilo que gostaria para ela, então peça para que a pessoa diga para você o que ela entendeu daquilo que você pediu.

Quando a pessoa disser o que entendeu, você consegue fazer os ajustes necessário daquilo que ficou mal entendido.

Quando começamos a pedir aos outros para repetir o que nos ouviram dizer, isso pode parecer esquisito. As pessoas ficam preocupadas com reações como: “O que você acha que eu sou, surdo?”. Para evitar isso, podemos explicar com antecedência que às vezes poderemos pedir que elas nos digam o que entenderam do que você disse, deixando claro que não está testando as capacidades auditivas ou cognitivas das pessoas e sim se certificando de que está se expressando com clareza.

#2 Clareza do que você quer.

Para você conseguir fazer um pedido claro daquilo que você precisa, antes de tudo você precisa saber o que realmente deseja com aquele pedido. Só com essa clareza você conseguirá checar se existe algum mal entendido.

A maioria das pessoas faz um pedido de coisas para a outra pessoa NÃO fazer, mas isso normalmente é muito vago sobre o que você realmente quer que ela faça. Quanto mais específico for a sua instrução maior serão as chances da outra pessoa corresponder ao que você deseja.

A Arte de Ouvir 503Quando não temos essa clareza é comum que aconteçam coisas como um pai que dizia ao filho de 15 anos: “Tudo o que eu quero é que você comece a demostrar um pouco de responsabilidade”, depois de refletir sobre como especificar o que o filho precisaria fazer para demonstrar a responsabilidade que ele queria, o pai respondeu envergonhado: “ Isso não soa muito bem, mas quando digo que quero responsabilidade, o que quero mesmo dizer é que desejo que ele faça o que eu digo sem questionar” e por fim o pai compreendeu que se o filho se comportasse daquela maneira ele estaria demonstrando obediência e não responsabilidade.

Esse exemplo foi retirado do livro Comunicação Não-Violenta do Marshall B. Rosenberg, que ilustra muito bem a falha da comunicação em relação à clareza do que se quer. Se você quer se aprofundar no assunto e melhorar sua linguagem pode baixar gratuitamente o e-book que eu preparei com técnicas para aperfeiçoar relacionamentos pessoais e profissionais.

Você pode baixar clicando aqui:

Passo a Passo da Linguagem Corporal e da Comunicação Empática