A LINGUAGEM CORPORAL QUE TRANSFORMA UM NÃO EM UM SIM

O nosso cérebro cria atalhos ligados a parte emocional para tomar decisões, porque se para cada decisão o cérebro ficasse ponderando, avaliando, pensando, a gente não varia mais nada. Então o cérebro usa como estratégia deixar algumas funções no piloto automático para deixar energia para pensar nas decisões que demandam maior atenção.

Nesse texto foi te falar de algumas técnicas baseadas nesses atalhos que ativam a emoção da empatia e com isso torna o seu discurso mais persuasivo.

Porque isso é tão importante?

É importante porque quanto mais você utilizar essas técnicas da forma correta maior é a chance de você obter resultados com isso. Isso quer dizer que o seu ouvinte prestará mais atenção em você e que isso aumentará a chances dele comprar o seu produto ou contratar o seu serviço.

Vou te dizer aqui os principais gatilhos mentais, aqueles que mais funcionam segundo o neuromarketing e como você pode usá-los.

#1

O primeiro é da HISTÓRIA, quando você passa dados para uma pessoa por meio de uma história, isso cria emoção e inspira as pessoas. Se conta uma história onde o corpo conta a história junto, o seu ouvinte cria imagens e isso faz com que ele se lembre mais das informações que foram faladas. Se você está dando uma aula, ou uma palestra, você engaja as pessoas com o corpo, com a linguagem corporal.

Eu parto do pressuposto que tudo é uma espécie de venda, se você está dando uma aula, um curso ou uma palestra, você está ali “vendendo” aquelas informações para as pessoas, você está “vendendo” alguma transformação, você espera que as pessoas aprendam algo depois da aula e esse aprender equivale ao “comprar”. Sem contar quando realmente as pessoas pagaram anteriormente para assistir o seu curso ou palestra. A mesma coisa na prestação de serviços. A gente tem a sensação que uma relação de venda e compra acontece quando apenas envolve um produto físico, mas em todo momento estamos vendendo, as vezes o que estamos vendendo é a nossa imagem.

#2

Enfim, vamos para o segundo gatilho mental, o da AUTORIDADE.

Um bom exemplo desse gatilho é um médico de jaleco. Você vai à uma emergência e se consulta com um médico em que nunca viu na vida, você não sabe se ele é bom, se dá para confiar nele, mas mesmo assim você de cara já confia nele a ponto de contar o que você está sentindo, deixar ele te consultar e se ele te receitar um remédio, muito provavelmente você irá comprar o remédio que ele te receitou e irá tomar do jeitinho que ele falou para você fazer.

Esse é o típico gatilho da autoridade, nós reconhecemos uma pessoa com autoridade e fazemos tudo que ela nos pede, sem hesitar.

E como conseguimos essa autoridade?

Para nós o que dará essa autoridade são as informações que comunicamos por meio da linguagem corporal. Isso acontece quando nós fazemos gestos enfáticos com os braços e expandindo o tórax dizendo com esses gestos que nós temos convicção do que estamos falando. Se você der alguns dados específicos quando está falando alguma coisa isso dá mais credibilidade, porque normalmente informações muito genéricas são artifícios que as pessoas usam quando estão mentindo. Uma pessoa com a postura mais caída e com o tom de voz mais fraco tende a passar menos confiança e credibilidade à pessoas.

Você deve ter percebido que tudo que vimos nesse texto são formas diferentes de criar uma conexão entre você e a pessoa com quem está conversando, para despertar o sentimento de empatia.

É esse o mecanismo que fará com aumente as chances do seu ouvinte tomar uma decisão favorável a você.

Entende-se aqui tomada de decisão como comprar algo que você está oferecendo, dizer sim a algum pedido seu e ouvir com mais compreensão o que você está falando. É esse sentimento de empatia que te fará um influenciador, que fará com que as pessoas te vejam como uma autoridade no assunto, alguém de confiança.