ACORDA, TRABALHA, DORME… ATÉ QUANDO?

Acorda, trabalha, dorme…. acorda, trabalha, dorme… acorda, trabalha dorme…

Até quando?

Uma rotina assim, sem entusiasmo, sem sentir que trabalha com algo que realmente te motive é a receita perfeita para: estagnação, baixa autoconfiança e depressão com a música do fantástico.

O crescimento profissional está intimamente ligado com o desenvolvimento pessoal. Uma pesquisa de Harvard diz que o entusiasmo e a autoconfiança são indicadores de sucesso, porque segundo uma pesquisa feita com empresários, essas qualidades indicam garra, disposição para trabalhar duro, iniciativa, persistência em face de obstáculos, atividade mental aprimorada, criatividade e capacidade de identificar boas oportunidade e ideias inovadoras.

Continuar a rotina de forma automática, fazendo sempre igual, não vai te levar a sair da estagnação. Por mais que você não veja saída e pense milhares de justificativas do porquê você continua fazendo o que sempre faz, se quer ter resultados diferentes precisa fazer algo de diferente do que sempre fez.

Fazer essas mudanças no corpo é um ótimo primeiro passo, porque ensinamos o cérebro a seguir caminhos diferentes, experimentar rotas que nunca tínhamos feito antes e aos poucos você vai trabalhando o corpo para trabalhar a mente. Quando utilizamos a mão não dominante para escovar os dentes, por exemplo, ou para levar o garfo até a boca, estamos ampliando as possibilidades do cérebro, isso aumenta nossa criatividade e abre espaço para a espontaneidade.

Quando não estamos entusiasmados pelo trabalho, isso reflete na nossa linguagem corporal e nos faz parecer menos confiantes e confiáveis, comunicadores menos eficazes e, em última análise, pessoas com desempenho fraco.

Se você sente que tem algo errado, mas não sabe dizer o que é experimente seguir novos caminhos de movimento com o corpo e isso irá ampliar a sua mente para entender e fazer as mudanças que você deseja.