COMO PRENDER A ATENÇÃO DO OUVINTE

A jornada do herói, que foi descrita por Campbell, é um estilo de narrativa muito encontrado ao redor do mundo, porque é um jeito de se contar uma história em que se alinha com a forma em que nosso cérebro funcionar.

Contar uma história utilizando esse método funciona como um gatilho mental muito poderoso para gerar engajamento e empatia. E veja o porquê a jornada do herói é tão poderosa:

#1 Em primeiro lugar, quando contamos uma história dessa forma, nós instigamos a curiosidade e isso estimula que as pessoas nos ouçam até o final.

#2 Quando ouvimos uma história nosso cérebro diminui as resistências, porque diferente de uma opinião ou conteúdo, com uma história nós não pensamos se concordamos ou não com aquela afirmação, porque são fatos e não conceitos.

#3 As pessoas se identificam com a história porque essa maneira se alinha com a forma em que nos enxergamos e como vivenciamos nossas próprias experiências.

#4 Passar dados para as pessoas por meio de histórias cria emoção, inspiração e imagens, ou seja, as pessoas se lembram mais do que foi dito.

Afinal como é essa jornada do herói?

jORNADA DO HERÓI

Se você observar todas as histórias de sucesso, de livros e filmes, em todas elas os protagonistas seguem essa jornada.

O personagem vive uma vida basicamente normal, com sonhos que não se realizam, aí surge um grande problema/obstáculo, é chamado para uma aventura que no início ele reluta, mas algo acontece (uma transformação) e tudo muda, ele aceita o desafio da aventura e se torna o herói.

Hoje também tem sido utilizada pelo marketing, em suas comunicações e o que poucas pessoas sabem é que nós podemos usar isso em nossas comunicações no dia a dia, para se conectar com as pessoas. Principalmente se você lidera e motiva pessoas, se você vende algum produto ou serviço. Até mesmo usar esse gatilho mental para pensar a jornada dos usuários/clientes como Tenny Pinheiro descreve em seu livro “Service Startup”.

Uma perspectiva ao redor de jornada melhora os níveis de empatia da equipe e revela oportunidades que normalmente se perdem no modelo convencional de produzir e vender. Essa mudança exige empatia, porque é necessário se colocar no lugar das pessoas e se tornar sensível às situações que elas passam ao utilizar o seu serviço. Inclusive Pinheiro diz que a não ser por questão de sorte, não é possível desenvolver um serviço relevante e de valor sem nutrir um bom nível de empatia por seus usuários, ao mesmo tempo em que se desenvolve um entendimento geral de como, em suas mentes, essas pessoas vivenciam suas jornadas de heróis.

E aí, você já parou de relutar e assumiu a aventura que fará com que você se torne o protagonista da sua própria história?