COMO LIDAR COM PESSOAS DIFÍCEIS NO TRABALHO

Pense em uma pessoa que você acha difícil de lidar…

O que ela faz que você interpretou que ela é uma pessoa difícil de lidar?

Exercite fazer uma observação sem julgamentos, pense em ações, atitudes, gestos descritivos que essa pessoa vez e que você chama de “difícil de lidar”. O que é difícil para mim, pode ser diferente do que é difícil para você, portanto busque ser o mais descritivo possível.

Eu pensei aqui, na minha colega Maria, acho ela uma pessoa difícil de lidar porque não sabe me ouvir e quer impor a maneira dela de pensar.

PARA TUDO!

Você não achou esquisita essa minha observação da Maria?

“Ela não sabe me ouvir”, “quer impor a maneira dela de pensar”, tudo isso são julgamentos e interpretações que eu fiz em cima de quais comportamentos da Maria? O que ela fez/faz que eu estou pensando que ela não sabe me ouvir?

A Maria interrompeu a minha fala por diversas vezes na última reunião de equipe achando que já sabia o que eu ia falar.

Você pode pensar aí… o que Maria fez que eu julguei como “achando que já sabia o que eu ia falar”? Se você pensou nisso, já entendeu o espírito de fazer uma observação pontual, sem julgamentos. Se você não percebeu nada de esquisito na frase, vamos continuar aqui mais um pouquinho.

A Maria simplesmente me interrompeu e continuou argumentando sobre sua ideia apresentada no início da reunião.

Ah, então talvez ela não sabia o que eu ia falar! Isso foi puramente interpretação minha.

Quando fazemos uma observação livre de julgamento, nossa estratégia de comunicação fica mais efetiva. Quando eu olho para o simples fato de ter sido interrompida, livro aquela ação como um ataque pessoal e posso comunicar: “Espera um pouco Maria, talvez eu tivesse dado a impressão que tinha terminado o meu raciocínio, mas gostaria de concluir o que ia dizer” ou espera a Maria concluir a interrupção e fala “Para concluir o que eu estava falando, antes da Maria colocar o ponto dela…” e dizer isso com um tom de voz firme, porém não agressivo e sem atacar Maria, simplesmente descrevendo o ocorrido.

Quanto melhor você cumprir essa dica, melhor será a leitura das pessoas com quem convive e com isso se comunicar de forma mais assertiva com elas. Não subestime o poder da observação sem julgamento, ela pode parecer simples, mas colocá-la na prática é mais difícil do que parece. Se aplicássemos essa dica, da forma que te apresentei agora, não existiram mais brigas e maus entendidos.