COMO DESENVOLVER JOGO DE CINTURA PARA FALAR DE IMPROVISO

Todo dia ela faz tudo sempre igual e sacode às seis horas da manhã…

Como bem ilustrou Chico Buarque na música “Cotidiano”, nossa rotina é sempre igual, interagimos com as mesmas pessoas, sobre os mesmos assuntos, com a mesma atitude e postura.

Esses comportamentos fazem com que o cérebro fique preguiçoso. Tudo que ele pode fazer para deixar no piloto automático ele faz, porque situações que saem da rotina fazem o cérebro gastar muita energia.

Deixá-lo se acomodar nessa zona de conforto faz com que diminuam as conexões entre diferentes regiões, o que por sua vez, deixa o cérebro “lento”, ficando cada vez mais difícil sustentar uma conversa interessante por mais tempo e improvisar com jogo de cintura. O cérebro está acostumado a seguir o mesmo script, então se te fazem uma pergunta que você não tinha previsto ou quando precisa falar de improviso, isso vai exigir muito esforço para se sair bem nessas situações.

Então, o que fazer para deixar o cérebro vivo?

Estímulos diferentes fazem o cérebro trabalhar e se manter ativo. Essas atividades previnem os brancos, aumentam a agilidade mental, a memória e a criatividade. Se você está com ele treinado para improvisação e situações inusitadas, vai ser mais fácil articular conexões, informações, assuntos diferentes pra usar na hora que precisar. Isso te dá ferramentas para melhorar sua performance e usar todos os recursos que você já tem.

Treinar o cérebro para não deixá-lo preguiçoso é mais fácil do que parece, mas precisa de constância, assim como o treino de academia. Se fizer apenas uma vez não terá resultados, precisa fazer todos os dias. O legal é que a ginástica cerebral pode ser incorporada nas suas atividades do dia a dia, basta estar atento para colocar o inusitado nelas (sair do padrão).

5 exemplos de ginástica cerebral:

#1 Trocar mão dominante: altere a mão de costume para fazer atividades rotineiras como escovar os dentes, pentear o cabelo, talheres na hora de comer, abrir a porta, colocar a chave na fechadura, etc. Se você é destro provavelmente faz todas essas atividades utilizando a mão direita, experimente fazê-las com a mão esquerda. Vice-versa para os canhotos.

#2 Disposição dos objetos: modifique de lugar os objetos da sua mesa de trabalho, no banheiro e nas gavetas. Desta forma você não pegará os objetos de forma automática, sem pensar, precisará de um esforço cerebral maior para se lembrar qual foi o novo lugar guardado.

#3 Interações sociais: busque interagir com pessoas que você não costuma fazer, desde desconhecidos no elevador, até colegas de trabalho que você troca apenas cumprimentos de “bom dia” e “boa tarde”. Isso fará com que seu cérebro busque conexões de assuntos diferentes e lide com a improvisação, pois toda interação social é um ensaio para lidar com ideias e perguntas que você não poderia prever.

#4 Novos caminhos: utilize caminhos alternativos para ir e voltar do trabalho, evite por algumas vezes fazer a mesma rota de todos os dias. Com isso seu cérebro treina a habilidade de atenção e planejamento, dois aspectos importantíssimos para se comunicar de forma assertiva.

#5 Estímulos diferentes: ofereça para o seu cérebro estímulos dos sentidos pouco usados como o tato, paladar, audição e olfato. A melhor forma de se fazer isso é tapando a visão. Experimente tomar banho de olhos fechados, escolher a roupa e se vestir no escuro, fazer uma refeição completa com os olhos fechados, etc.

Todas essas 5 situações citadas acima irão treinar seu cérebro a lidar com o improviso. Faça-as todos os dias, em todas as situações que se lembrar.